Inicial Expediente Lançamentos Edição Atual Colunistas Classificados Edições Anteriores
  Buscar no Site
 
 
      






 Edição: 25 - Ano 03
Notícias do Mercado
Para o barato não sair caro
Vida útil maior aos tapetes
Piscinas Internas
Árvores na Cidade
Qualidade de vida
A Competência Comunicativa
Ar fresco com comodidade
Hall:Apresentação do edifício
Inteligência nos Elevadores
O que é o produto orgânico?
Você foi demitido? Fique feliz
 Anunciantes
  Base Forte Arte em Concreto
  Bom Jesus Pisos Decorações
  Braslight
  Celulares Tim e Vivo
  Certa Egenharia
  Desempenho Pré-Moldados
  Duplo 7 Indústria do Design
  Engeplas - Engenharia
  Engevidros
  Golaço - Duarte Ferro e Aço
  Graffitt Revestimentos
  Graniti Mármores e Granitos
  J. Mattos Construção Civil
  Mundi Plásticos
  Praia - Aluga-se
  QIdéia - Viabilizando Idéias!
  Schulmeister Arquitetura
  Telhas Biancolini Poliuretano
  Tubolar
  Versátil - Andaimes
 
 :: Piscinas
Piscinas Internas - Jornal Construção & Cia
  Piscinas Internas
   
 
Uma piscina aquecida, a ser executada no interior de um prédio, pode trazer grandes danos para a edificação, caso não sejam muito bem estudadas todas as implicações decorrentes. Os problemas mais freqüentes, provocados por uma piscina interna são: condensação de vapor d'água, mofo, queda de placas de forro, encharcamento de materiais isolantes, corrosão de instalações e fissuras na alvenaria. Em casos extremos, podem provocar o colapso estrutural. No entanto, há condições de serem executadas piscinas internas, sem causar os problemas mencionados. A equipe técnica, responsável pelo projeto e execução de uma piscina interna deverá focar seus estudos em dois itens críticos: - Todas as superfícies internas deverão permanecer com temperaturas acima do ponto de orvalho* do ambiente. Este item é crítico, principalmente, nos dias de baixas temperaturas externas. - Qualquer fator, que possa elevar o ponto de orvalho* ambiental acima das temperaturas das superfícies internas, deverá ser evitado através de um complexo e caro sistema de climatização. Do exposto, existem dois conjuntos de providências para resolver os problemas de uma piscina interna: o primeiro conjunto é composto de ações arquitetônicas e construtivas. O segundo é composto de ações de climatização. As principais ações dos arquitetos e construtores são: selecionar adequadamente as janelas, as paredes e a cobertura com proteções térmicas, confinar o local da piscina, evitar forros falsos, evitar clarabóias, evitar o uso de carpetes e tapetes e dar condições para que o insuflamento de ar seja realizado pela parte inferior das janelas. As principais ações dos engenheiros de climatização são: orientar o arquiteto e o construtor nas proteções térmicas necessárias e projetar um sistema, de alta resistência frente à corrosão, que mantenha o ponto de orvalho* do ambiente sempre abaixo das temperaturas das superfícies internas. As piscinas de clubes, escolas de natação, academias, condomínios, hotéis, centros de fisioterapia etc., para operarem sem causar danos à edificação, devem ser projetadas com plena interação entre o arquiteto, o construtor e o engenheiro de climatização. Após a execução, as instalações vão necessitar de um acompanhamento técnico contínuo. Não é aconselhável executar uma piscina, não confinada, na parte interna de uma residência, pois ela vai gerar uma série de inconvenientes que vão se estender para todas as dependências da casa. Outro fator que deve desestimular esta execução é fato das instalações apresentarem um custo operacional elevado e necessitarem uma manutenção constante ao longo do ano. * ponto de orvalho é definido como a temperatura em que o vapor d'água, contido no ar ambiental, condensa.


Luiz Fernando Michelena
luiz@michelena.com.br
http://www.michelena.com.br/