Inicial Expediente Lançamentos Edição Atual Colunistas Classificados Edições Anteriores
  Buscar no Site
 
 
      






 Edição: 58 - Ano 04
Notícias do Mercado
“GREEN BUILDING”
A Reforma...
Acolha bem seus visitantes
Arte no Jardim
Crescimento de 7%
Integração de ambientes
Pavimentação mais barata
PR terá maior prédio!
Projeto Luminotécnico
Shopping Curitiba
Tendência na decoração
 Anunciantes
  Academia H2O
  Affare Mobile
  Amil
  Ape Elevadores
  Aquecedor solar
  Arc Flex
  Benedita
  Bingu's restaurante
  Casteval
  Cristal Pedras
  GA- Grameira
  Habit & Con.
  Hoje Imóveis
  Kapazzi
  Köhler
  Mundo das Banheiras
  Oikos
  Pedra Serviços LTDA.
  Rossi
  Salvatore
  SchulmeisterLins
  SzA
  Tel Maxi
  Tele Sete
  Telha Limpa
 
 :: Paraná vai ter o maior prédio construído
Paraná vai ter o maior prédio construído em alvenaria estrutural da região Sul - Jornal Construção & Cia
  Paraná vai ter o maior prédio construído em alvenaria estrutural da região Sul
  Estrutura desempenha funções convencionais de vedação e de divisão de ambientes
   
 
Diante do cenário de aquecimento dos mercados da construção civil e imobiliário, as empresas desses setores buscam opções que permitam executar obras rápidas e econômicas, aspectos que atraem o consumidor, normalmente ávido pela concretização do “sonho da casa nova”. Uma dessas alternativas, que vem sendo bastante utilizada na construção civil, é a alvenaria estrutural, um sistema construtivo no qual os blocos de concreto formam as paredes que compõem a estrutura da edificação, além de desempenhar as funções convencionais de elementos de vedação e de divisão de ambientes. Muitas empresas têm optado pelos blocos de concreto, pois permitem a redução do volume de resíduos gerados na obras, das horas de trabalho e do consumo substancial de uma série de insumos da obra, como madeira, aço e revestimentos. É o caso da Construtora Baú, que está executando o Felice Condomínio Club, localizado no bairro Água Verde, em Curitiba. A empresa adotou a solução a fim de reduzir em dois meses o prazo de entrega da obra do empreendimento, que será composto por dois subsolos, térreo e duas torres com 19 pavimentos cada, sendo um pavimento duplex inferior e um superior, num total de 180 apartamentos. De acordo com o engenheiro Norley Baú, diretor da construtora, são dois os principais desafios desta obra: “primeiro a altura, uma vez que são 18 pavimentos tipo e um duplex superior em alvenaria estrutural de blocos de concreto, o que representa o maior edifício em alvenaria estrutural do Paraná. Em segundo lugar a logística, pois o terreno encontra-se em um miolo de quadra com apenas um acesso estreito. Assim, o fluxo de fornecimento de materiais e componentes deve ser cuidadosamente estudado”, afirma Baú. O empreendimento contará com duas gruas com lança de 35 metros e 1.500 kg na ponta para o transporte dos blocos e componentes pré-moldados. Norley revela que o prazo de execução do edifício, que teve 100% de suas unidades vendidas apenas 60 dias após o lançamento, será de apenas 18 meses, sendo que a alvenaria será realizada durante nove meses. Segundo o engenheiro Carlos Roberto Giublin, gerente regional da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), além do prazo de e x e c u - ção reduzido, outra vant a - gem da alvenaria estrutural de blocos de concreto é uma significativa economia nos custos da obra. Giublin afirma também que, graças à uniformidade dos blocos de concreto, produzidos industrialmente, há ainda uma redução significativa dos gastos com materiais de acabamento, principalmente com argamassa de revestimento. Outro fator importante do sistema construtivo é a redução de custos de manutenção pós-obra, pois no detalhamento das paredes são projetadas armaduras adequadas no entorno das aberturas, eliminando- se assim as indesejadas fissuras nos contornos de janelas. De acordo com o engenheiro Marcio Conte, projetista da MC Projetos, há ainda a redução total das patologias de lajes de cobertura. “Neste sistema construtivo, temos junta de dilatação térmica na última laje, eliminando-se as tradicionais fissuras do último andar, muito comuns em prédios de concreto armado”, afirma Conte.